LEIO LOGO...

.
.
.
LEIO, LOGO...

A nova rubrica quinzenal da nossa página afiliada, Ponto&Vírgula, começou com o testemunho na nossa co-autora Ana Vargas.

Acompanhe a partir daqui os textos publicados:

#1 Leio, logo... crio laços, por Ana Vargas (24/04/2018)
#2 Leio, logo... empilho, por Sofia Guedes Vaz (08/05/2018)
#3 Leio, logo… sonho,
por Alexandre Gusmão (22/05/2018)

***

Queremos que participe nesta rubrica! O que é, para si, ler? Qual é a sua visão do mundo literário, do lado do leitor? Entre em contacto connosco, por mensagem privada na página Ponto&Vírgula e partilhe a sua opinião.



quinta-feira, 3 de julho de 2014

Amor e Dedinhos de Pé, Henrique de Senna Fernandes (Instituto Cultural de Macau)



    Contrariamente ao que me é habitual, comecei este livro sem ter a mais pequena ideia de qual era o tema; apenas com a recomendação da minha tia que, ao mo emprestar disse “É muito bonito!”. E é mesmo.
    Passado em Macau, conta a história de Francisco Frontaria e como este passou a Chico Pé-Fêde, e de Vitorina Vidal, e como se tornou Varapau-de-Osso. De uma forma simples e bonita, sublinha a relevância das nossas decisões e comportamentos, e ressalva como a redenção e a reabilitação são sempre possíveis, desde que exista vontade e uma mão estendida. Assim, e mais importante, descobrimos como Chico Pé-Fêde voltou a ser Francisco Frontaria e como Varapau de Osso voltou a ser Vitorina Vidal, unidos por um amor imprevisto tanto por eles como pela sociedade que os rodeava.
    O autor começa o livro com um “Ao Subir do Pano”, onde declara:

  “Esta é uma obra de ficção, todavia inspirada numa história antiga que escutei, entre riso e comentário jocoso (…) era eu menino e moço.
    Da crónica verdadeira, tal como ela se passou, resta muito pouco, ficou-me apenas um borrão na memória. Salvaram-se, porém, algumas vigas mestras que não se perderam a rogar-me todos estes anos fora que a reduzisse a escrito”.

    E, “Ao Cair do Pano”, acrescenta:

    “A minha história narrei-a porque a sua originalidade me prendeu, desde os verdes anos.
    Sempre ouvi dizer que o amor se conquista pelo coração ou pelo estômago. Mas esta foi a primeira vez que me vi confirmado que o amor também se conquista por dedinhos de pé.”

   Uma leitura simples e muito bonita, com o senão de ter muitos erros ortográficos.

Sem comentários:

Enviar um comentário