Prémio Nobel da Literatura 2017

Prémio Nobel da Literatura 2017

Kazuo Ishiguro

autor, entre outros, de Os despojos do dia e Nunca me deixes


segunda-feira, 21 de julho de 2014

O Homem da Carbonária, Carlos Ademar (Oficina do Livro)

    Nos primeiros anos após a instauração da República portuguesa, o chefe de segurança de  S. Bento aparece morto a tiro, no Jardim da Estrela, sem carteira nem arma. Durante a invesigação são colocadas diversas hipóteses para a causa do homicídio, entre as quais a sua ligação à Carbonária, uma seita semelhante à Maçonaria mas maioritariamente constituída por trabalhadores do povo, fundada em Itália.

    Apesar de bem escrito, não foi um livro que me fascinou. Já li mais livros deste autor e o meu favorito continua a ser a Primavera Adiada. Penso que este romance - O Homem da Carbonária - foi essencialmente um esforço para contar os anos conturbados que se seguiram à queda da Monarqia e até se dar o golpe que levou ao período ditatorial português. No entanto, o modo como os dados históricos foram introduzidos não está muito bem conseguido, sendo um pouco forçado e implicando a interrupção da narativa.

Sem comentários:

Enviar um comentário