LEIO LOGO...

.
.
.
LEIO, LOGO...

A nova rubrica quinzenal da nossa página afiliada, Ponto&Vírgula, começou com o testemunho na nossa co-autora Ana Vargas.

Acompanhe a partir daqui os textos publicados:

#1 Leio, logo... crio laços, por Ana Vargas (24/04/2018)
#2 Leio, logo... empilho, por Sofia Guedes Vaz (08/05/2018)
#3 Leio, logo… sonho,
por Alexandre Gusmão (22/05/2018)

***

Queremos que participe nesta rubrica! O que é, para si, ler? Qual é a sua visão do mundo literário, do lado do leitor? Entre em contacto connosco, por mensagem privada na página Ponto&Vírgula e partilhe a sua opinião.



segunda-feira, 13 de outubro de 2014

Um homem muito procurado, John Le Carré (D. Quixote)

    Mais um livro que, na contracapa, promete que não o conseguiremos pousar; mais um livro que só me apetecia pousar e que foi uma enorme deceção. Honestamente não consegui perceber a ideia... E um livro que fica só na superfície, como um trabalho incompleto redigido por um aluno preguiçoso e sem capacidade de aprofundar ideias.
    Issa Karpov chega à Alemanha em muito mau estado e recorre a um Santuário para imigrantes ilegais e à sua advogada Annabel Richter, proveniente de uma família muito influente na área do Direito. Issa tem de reclamar o dinheiro do pai, que renega por ter sido um bárbaro russo, que violou a mãe chechena, e que está depositado numa conta semi-secreta no banco privado de Tommy Brue, que também se torna aliado deles. Entretanto, o próprio Issa está a ser espiado por vários Serviços de vários países, pelos quais é considerado um terrorista da pior espécie... Mas por outro lado acaba por ser o isco para um outro suposto terrorista... O fim mais parece o meio do livro e acabamos por não perceber se os dois homens são ou não terroristas, nem sabemos como fica a situação familiar de Brue, que vamos minimamente acompanhando ao longo do livro... 
   Não sei mesmo o que mais posso dizer...

Sem comentários:

Enviar um comentário