LEIO LOGO...

.
.
.
LEIO, LOGO...

A nova rubrica quinzenal da nossa página afiliada, Ponto&Vírgula, começou com o testemunho na nossa co-autora Ana Vargas.

Acompanhe a partir daqui os textos publicados:

#1 Leio, logo... crio laços, por Ana Vargas (24/04/2018)
#2 Leio, logo... empilho, por Sofia Guedes Vaz (08/05/2018)
#3 Leio, logo… sonho,
por Alexandre Gusmão (22/05/2018)

***

Queremos que participe nesta rubrica! O que é, para si, ler? Qual é a sua visão do mundo literário, do lado do leitor? Entre em contacto connosco, por mensagem privada na página Ponto&Vírgula e partilhe a sua opinião.



sexta-feira, 12 de junho de 2015

O traficante de armas, Hugh Laurie (Caderno, Leya)

    O autor de "O traficante de armas", Hugh Laurie, é o famoso ator que deu vida ao Dr. House, da série televisiva homónima. Quando me falaram do livro, enalteceram o humor irónico tão caraterístico do ator/autor que nos leva a reconhecê-lo ao longo das páginas (escritas na primeira pessoa), pese embora não tenha qualquer relação com a série nem com medicina.
    Thomas Lang é um ex-militar que é abordado por um desconhecido que quer contratar os seus serviços como assassino. Escandalizado e preocupado, Lang não só recusa, como tenta avisar a vítima. Vê-se então enredado numa teia de conspirações, envolvendo o tráfico de armas, da qual não tem como sair, sobretudo porque se apaixona pela filha da vítima.

    Estive no hospital durante sete refeições, não sei bem a quanto tempo isso corresponde. Vi televisão, tomei analgésicos, tentei fazer todas as palavras cruzadas incompletas nos últimos números da Woman's Own. E fiz muitas perguntas a mim próprio.
    Para começar, o que é que eu andava a fazer? Porque é que me andava a por no caminho de balas, disparadas por pessoas que eu não conhecia, por razões que eu não compreendia? O que é que eu ganhava com isso? O que é que Woolf ganhava com isso? O que é que O'Neal e Solomon ganhavam com isso? Porque é que aquelas palavras cruzadas não estavam acabadas? (...)
    E, acima de tudo, porque é que eu tinha a imagem de Sarah Woolf cravada dentro de mim, de tal modo que sempre que pensava em alguma coisa - ver televisão à tarde, fumar um cigarro na casa de banho ao fundo do piso, coçar um dedo do pé - lá estava ela, a sorrir e a troçar ao mesmo tempo. É que, pela centésima vez, esta era a mulher pela qual eu decididamente não estava apaixonado.

    O livro está bem construído e confesso que me ri mesmo muito e em voz alta com diversas passagens. Mas só até cerca de 2/3 do livro. Depois torna-se mesmo muito só espionagem e detalhes técnicos. Poderá ser uma coisa boa para quem gosta do estilo, mas para mim perdeu um pouco o interesse nessa altura - penso que o valor do livro reside mesmo no humor ácido da primeira parte.

Sem comentários:

Enviar um comentário