LEIO LOGO...

.
.
.
LEIO, LOGO...

A nova rubrica quinzenal da nossa página afiliada, Ponto&Vírgula, começou com o testemunho na nossa co-autora Ana Vargas.

Acompanhe a partir daqui os textos publicados:

#1 Leio, logo... crio laços, por Ana Vargas (24/04/2018)
#2 Leio, logo... empilho, por Sofia Guedes Vaz (08/05/2018)
#3 Leio, logo… sonho, por Alexandre Gusmão (22/05/2018)
#4 Leio, logo… exploro, por Lucinda Afreixo (05/06/2018)
#5 Leio, logo... preservo, por Manuela Pires (19/06/2018)
***

Queremos que participe nesta rubrica! O que é, para si, ler? Qual é a sua visão do mundo literário, do lado do leitor? Entre em contacto connosco, por mensagem privada na página Ponto&Vírgula e partilhe a sua opinião.





sexta-feira, 4 de dezembro de 2015

Histórias de Amor, José Cardoso Pires (Os livros das três abelhas)

    "Histórias de Amor" reúne quatro contos e uma novela da autoria de José Cardoso Pires: "Week end", "Uma simples flor nos teus cabelos claros", "Ritual dos pequenos vampiros", "Romance com data", e "Dom Quixote, as velhas viúvas e a rapariga dos fósforos", respetivamente - mas não por esta ordem no livro.
    Parafraseando o texto da contracapa, são histórias "por vezes ternas, por vezes amargas", em meu entender não são particularmente fáceis. Nas palavras do próprio autor, que também escreveu o prefácio "Limito-me (...) a observar que lhes chamei «de amor» por estar neste ponto a matriz em que julguei ver fundidas certas manifestações específicas do homem, capazes (....) de o definir na época ou a época, através dele."
    A edição é, em si, muito interessante pois constitui a versão integral onde estão assinaladas as passagens do famoso lápis azul da censura. Cenas que atualmente parecem perfeitamente inocentes, ou termos como "nu", "camandro", "lábios no corpo", estão sublinhados ou riscados. Em alguns casos, até nos perguntamos o porquê de estar riscado e tentamos perceber qual a perversão considerada pelo responsável. 
    A primeira página é o relatório dessa censura, onde se classifica o livro como "Imoral. Contos de misérias sociais e em que o aspeto sexual se revela indecorosamente. De proibir."
    Considero este o aspeto mais curioso do livro.

***

Sem comentários:

Enviar um comentário