quarta-feira, 5 de julho de 2017

Apaixonados por Livros

    No Centro Comercial de Alvalade há um pequeno stand de livros, pelo qual passo todos os dias, no meu caminho de ou para o escritório. Nunca lá parara antes de hoje. Percorria sempre as capas com os olhos, mas controlava a vontade de parar, primeiro porque trazia sempre um livro comigo, e depois porque gosto de levar o meu tempo a vaguear pelos livros, sem me sentir pressionada a comprar ou mirada pelos vendedores.

    Mas hoje acabei o livro que estava a ler (“Os Interessantes”, de Meg Wolitzer) e, antecipando o momento em que apanharei o metro de regresso a casa, sem ter o que ler, decidi ver se algum livrinho pequeno me chamava a atenção.

    E então parei. E já tinha na mão um livro do Primo Levi, preparando-me para ler a contracapa, quando a menina que estava naquele momento do Stand veio ter comigo para me informar que os livros estavam com 10% de desconto. Perguntou se precisava de ajuda e eu comentei com simplicidade que estava apenas a ver se havia algum livro pequenino interessante porque tinha terminado o meu de manhã e não tinha o que ler no regresso a casa. A cara dela iluminou-se e exclamou “Como percebo o que quer dizer! O que gosta de ler?”. Respondi, e então informou-me que as prateleiras que estavam à nossa frente tinham livros acabados de chegar do Brasil, muito bons. Era brasileira. Começou a procurar no meio dos volumes os autores de que mais gostava e livros que já lera. Aceitei de bom grado os conselhos dela e acabei por trazer um livro de contos de Paulo Henriques Britto, “Paraísos Artificiais”. Quando mo estendeu, apresentou-mo da seguinte forma “Este autor escreve maioritariamente poesia. Aqui são contos. Agora imagine, um autor de poesia a escrever prosa… consegue imaginar que as frases são lindíssimas!”.

    Depois de pagar ela pediu-me que passasse por lá quando terminasse para lhe dizer o que tinha achado do livro.


    Acho que nunca tinha sido tão bem atendida, por uma pessoa tão entusiasta e que tão visivelmente adora ler. Não podia deixar de partilhar. 😊

1 comentário:

  1. Que pena ficar tão longe e não poder passar por lá.

    ResponderEliminar