Prémio Nobel da Literatura 2017

Prémio Nobel da Literatura 2017

Kazuo Ishiguro

autor, entre outros, de Os despojos do dia e Nunca me deixes


quinta-feira, 29 de abril de 2010

Primavera Adiada, de Carlos Ademar (Oficina do Livro)

    Centrado em Marta, uma jovem natural de Évora, que procura encontrar-se como mulher num país definido pela ameaça constante de um governo ditatorial, chega-nos o romance “Primavera Adiada” de Carlos Ademar.
    A história segue o percurso desta personagem desde que o namorado a deixa para fugir de uma Guerra Colonial em que não acredita, até à sua vida em Lisboa, quando vai estudar para a Faculdade de Letras, onde acaba por ficar a trabalhar e procura redefinir a sua vida.
    Todas as personagens que com ela se cruzam e que determinam mais um traço do seu crescimento, emocional e ideológico, são descritos e dados a conhecer ao leitor de uma forma fluida e agradável que estimula uma leitura inebriante e que mal nos deixa pousar o livro.
    Desde as diferenças de ideais políticos entre a sua família e a do seu primeiro namorado, às amigas e colegas que, clandestinamente, contribuíam para a oposição, todos quantos com ela travam conhecimento, fascinando-a – ou não – por uma ou outra razão, moldam a sua visão e atitude ao longo de todo o livro, e tornam-na numa personagem completa e interessante, na sua busca por si mesma, pelas suas convicções e pelo seu preenchimento pessoais. Se por vezes se tornam um pouco exaustivas e desejamos saber mais sobre o decorrer da história, por outro lado consiste, sem dúvida, num método extremamente inteligente e delicioso de descrever as várias posições, concepções e aspirações dos inúmeros – chamemos-lhes – personagens-tipo que fizeram este período e Revolução tão importantes da nossa História, de um modo fresco e abrangente.

3 comentários:

  1. A leitura de "Primavera adiada" prende-nos e somos arrastados pela vida de Marta, em Évora primeiro e depois em Lisboa, onde decorre grande parte do enredo. Gostei do facto de o autor não se ter preocupado em deslindar (nos) o verdadeiro assassino do jovem cujo corpo foi encontrado por Marta, deixando-nos na dúvida se se tratou de um crime político, o que condiz com as dúvidas e incertezas que rondaram algumas situações similares durante o fascismo. Gostei também do encontro derradeiro entre Marta e Tomás, totalmente desprovido de paixão e sem mesmo a desilusão que acompanha o fim de um sonho.
    Como curiosidade assinale-se o facto de o autor ter sido durante anos investigador da PJ e escolher como tema e como protagonista principal uma jovem mulher e a descoberta do amor e da vida nos fascinantes anos setenta.

    ResponderEliminar
  2. Obrigado pelos comentários bem expressivos, certeiros e, já agora, positivos.
    Carlos Ademar

    ResponderEliminar
  3. ok desta vez já vi que foste tu que escreveste este post...
    Bem, como sabes não li o livro, mas visto que sou muito amigo de palavras e visto que me falaste tão bem do livro, sou menino para o comprar e ler.

    By the way, tu e a tua mãe escrevem muito bem...
    É como o ditado diz, "Quem sai aos seus não é de Genebra"

    beijinhos

    ResponderEliminar