Prémio Nobel da Literatura 2017

Prémio Nobel da Literatura 2017

Kazuo Ishiguro

autor, entre outros, de Os despojos do dia e Nunca me deixes


sexta-feira, 1 de setembro de 2017

Mulheres fora da lei, Anabela Natário (Desassossego)



   
   Depois de ler Crime e Castigo, quase a propósito, saboreei a leitura deste livro «Mulheres fora de lei». Apesar do subtítulo algo dramático – venha conhecer as maiores criminosas dos últimos três séculos em Portugal – o livro inicia-se com uma pequena nota da autora que lembra que o crime não é um exclusivo do homem, as mulheres, embora em menor número, também o praticam.
    Cada capítulo é precedido de uma ficha de identificação com o nome da mulher, idade, local de nascimento, morada do crime, tipo de crime, vítima e data. Das 23 histórias contadas, 3 passaram-se no século XVIII, 12 no século XIX e as restantes no século XX. O crime maioritário é o de furto, seguido pelo do homicídio, em regra, do marido. 
    Na minha leitura, duas histórias se destacaram, uma de uma verdadeira serial killer que ia buscar crianças expostas e as matava com requintes de malvadez – e matou 34 crianças, em 1772 – e  a segunda, já no século XX, que, vestida de homem, tentou matar o seu chefe para vingar o irmão. Outro caso interessantíssimo é o da pintora  Maria Josefa Garcia Seoane Greno que também assassinou o marido e que foi considerada penalmente irresponsável por Miguel Bombarda.
    Para além da natural curiosidade do tema, e da respetiva apresentação, merece destaque a forma como cada história é contada. Como refere a autora, são histórias verdadeiras, sem sombra de ficção, porque assim se pretendeu. Nada de imaginação (embora possa parecer). Nem precisa, porque muitas destas histórias em nada devem à imaginação de um qualquer novelista e foram até fonte de inspiração para escritores, poetas e mesmo realizadores de cinema. A começar por Isabel Xavier Clesse que tentou envenenar o marido tendo a sua história sido contada por Camilo Castelo Branco, um século depois, e, anteriormente, por muitos outros escritores e poetas, íncluindo a Marquesa de Alorna. Como refere Anabela Natário trata-se de um caso insólito, não tanto pelo tema do adultério feminino, mas sobretudo pela decisão da ré de assassinar o marido, recorrendo a um tão ardiloso expediente. A severidade da sentença e o carácter espectacular  de que se revestia na época o exercício da justiça ajudarão também a compreender a passagem do caso a tema poético. 
    Muita coisa mudou desde a época em que estes crimes foram praticados, contudo, provavelmente a maior alteração é ao nível da justiça, começando pela abolição da pena de morte a que algumas destas primeiras criminosas são condenadas.
    Para além do voyeurismo que estes casos suscitam, mesmo decorridos tantos anos, a forma como os crimes são narrados e a apresentação da obra tornam a leitura deste livro um prazer.
    

Sem comentários:

Enviar um comentário